• Flávio Germano

Vamos falar sobre Retinoblastoma

Tudo que você precisa saber sobre o tumor ocular maligno mais comum em crianças





Tiago Leifert contou o motivo que o afastou da TV, após 15 anos. A filha Lua, de 1 ano e 3 meses, fruto do casamento com Daiana Garbin, está com um tipo de câncer raro. Há 4 meses o casal se mudou do Rio de Janeiro para São Paulo para começar os tratamentos.


Vamos explicar os principais pontos sobre o retinoblastoma:



1- O que é o Retinoblastoma?


- É o tumor ocular primário maligno mais comum em crianças e o segundo mais comum em todos os grupos etários, perdendo somente para o melanoma de coroide.



2- Como é a epidemiologia da doença?


- Possui incidência: 1 a cada 10-30 mil nascido-vivos; representando 4% dos tumores da infância e sem predileção por sexo. A média de idade no diagnóstico é de 18 meses, sendo que a maioria torna-se clinicamente aparente até os 3 anos de idade.



3- Quais são os sinais para suspeitar o tumor?


- Os principais sinais são: leucocoria (demonstrado na foto acima) e estrabismo.



4- Quantos tipos existem?


- Existem dois tipos: a) Não hereditário (esporádico): representa 60% e a mutação ocorre em apenas uma célula da retina, sendo que não transmite para a prole, além de ser unilateral em 85%. b) Forma hereditária: há um risco de transmissão para prole em 50% e 85% dos casos cursam com tumores bilaterais e múltiplos.



5- Como se dá a classificação e estadiamento do retinoblastoma?


Classificação internacional para retinoblastoma intraocular (classificação de Reese-Ellsworth): divide os retinoblastomas em 5 grupos, com base na chance do olho ser salvo com as opções atuais de tratamento.


  • Grupo A: risco de perda ocular muito baixo.

  • Tumor focal, pequeno (≤3mm de diâmetro), confinado à retina e sem estar perto de estruturas importantes (>3mm da fóvea e >1,5mm da papila).

  • Grupo B: risco de perda ocular baixo.

  • Tumor >3mm ou qualquer tamanho próximo à fóvea ou papila ainda confinado à retina, sem sinais de sementes vítreas ou subrretinianas.

  • Grupo C: risco de perda ocular moderado.

  • Tumor com pequena disseminação local (até 3mm do foco tumoral) para vítreo ou espaço subrretiniano.

  • Grupo D: risco de perda ocular alto.

  • Tumor com disseminação local difusa (>3mm do foco tumoral) para vítreo (sementes vítreas grandes, difusas e grosseiras) ou espaço subrretiniano (sementes, placas tumorais, etc.), sem acometer segmento anterior.

  • Grupo E: risco de perda ocular muito alto.

  • Tumor causando qualquer situação que signifique que não há praticamente nenhuma possibilidade de que o olho seja salvo: glaucoma neovascular, HV densa, impregnação hemática da córnea, necrose tumoral maciça, celulite orbitária asséptica, atrofia ocular, tumor anterior à face anterior do vítreo, tumor tocando o cristalino, tumor no segmento anterior, infiltração ocular difusa, etc.

6- Como se dá o tratamento do retinoblastoma?


- Cada caso é um caso. Basicamente as opções incluem: quimioterapia, crioterapia, radioterapia, braquiterapia e enucleação. Converse com seu médico oftalmologista para mais informações.




Autor responsável: Professor Dr Flavio Germano (CRM/SP: 192.136 // RQE: 91873)







6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo