Johann W. Goethe vs Isaac Newton

Cerca de 150 anos separam os dois grandes gênios da humanidade em duas teorias das cores opostas.


Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832), foi notório pelo seu talento explosivo; escritor de “Os sofrimentos do jovem Werther”, marco inicial do romantismo, considerado por muitos como uma obra-prima da literatura mundial. Após a sua primeira publicação, em 1774, teria ocorrido, na Europa, uma onda de suicídios, atribuída à influência do personagem de Goethe, que foi chamada "efeito Werther”. Sua obra prima, porém, é o drama trágico Fausto, publicado em fragmento em 1790, depois em primeira parte definitiva em 1808 e, por fim, numa segunda parte, em 1832, ano de sua morte, tomando-lhe, portanto, a vida inteira.

"Quanto ao que fiz como poeta,... não me orgulho disso... Mas, no meu século, sou a única pessoa que conhece a verdade na difícil ciência das cores - daquilo, digo, eu não estou nem um pouco orgulhoso, e aqui tenho uma consciência de uma superioridade a muitos."

No século XIX o poeta Goethe se apaixonou pela questão da cor e passou 40 anos tentando terminar o que considerava sua obra máxima: um tratado sobre as cores que poria abaixo a teoria de Newton.

A principal objeção de Goethe a Newton era de que a luz branca não podia ser constituída por cores, cada uma delas mais escura que o branco. Assim ele defendia a ideia das cores serem resultado da interação da luz com a "não luz" ou a escuridão.

Por exemplo, o experimento da luz decomposta em cores ao passar por um prisma foi explicado por ele como um efeito do meio translúcido (o vidro) enfraquecendo a luz branca. O amarelo seria a impressão produzida no olho pela luz branca vinda em nossa direção através de um meio translúcido. O sol e a lua parecem amarelados por sua luz passar pela atmosfera até chegar a nós. Já o azul seria o resultado da fuga da luz de nós até a escuridão. O céu é azul porque a luz refletida na terra volta em direção ao espaço negro através da atmosfera.

Da mesma forma o mar, onde a luz penetra alguns metros em direção ao fundo escuro. Ou as montanhas ao longe que parecem azuladas. O verde seria a neutralização do azul e do amarelo. Como no mar raso ou numa piscina, onde a luz refletida no fundo vem em nossa direção (amarelo) ao mesmo tempo que vai do sol em direção ao fundo (azul). A intensificação do azul, ou seja a luz muito enfraquecida ao ir em direção à escuridão torna-se violeta, do mesmo modo que o amarelo intensificado, como o sol nascente, mais fraco, e tendo que passar por um percurso maior de atmosfera até nosso olho fica avermelhado.

A interpretação do arco-íris é assim modificada. Os dois extremos tendem ao vermelho, que representa o enfraquecimento máximo da luz.

E ele realmente descobriu aspectos que Newton ignorara sobre a fisiologia e psicologia da cor. Observou a retenção das cores na retina, a tendência do olho humano em ver nas bordas de uma cor complementar, notou que objetos brancos sempre parecem maiores do que os objetos com ausência de luz (preto).

Também reinterpretou as cores, pigmentos de Le Blon, renomeando-os púrpura, amarelo e azul claro, se aproximando com muita precisão das atuais tintas magenta, amarelo e ciano utilizadas em impressão industrial.

Porém as observações de Goethe em nada feriram a teoria de Newton, parte devido ao enorme prestígio do físico inglês, e parte porque suas explicações para os fenômenos eram muitas vezes insatisfatórias e ele não propunha nenhum método científico para provar suas teses. Sua publicação "A teoria das cores" caiu em descrédito na comunidade científica, não despertou interesse entre os artistas e era deveras complexo para leigos.

Suas observações foram resgatadas no início do século XX pelos estudiosos da gestalt e sobre pintores modernos como Paul Klee e Kandinsky.

Atualmente, o estudo da teoria das cores nas universidades se divide em três matérias com as mesmas características que Goethe propunha para cores: a cor física (óptica física), a cor fisiológica (óptica fisiológica) e a cor química (óptica fisico-química).

O conteúdo é basicamente a teoria de Newton acrescida de observações modernas sobre ondas. Os estudos de Goethe ainda podem ser encontrados em livros de psicologia, arte e mesmo livros infanto-juvenis que apresentam ilusões de óptica.


Fonte bibliográfica: https://pt.wikipedia.org/wiki/Teoria_das_cores



Av. Comendador José da Silva Martha 10-35 (Dr Jorge Germano e Dr Renato Germano)

Rua Floriano Peixoto 18-08 (Dr Flávio Rodrigues e Silva)

Rua Floriano Peixoto 18-14 (Dr Kleber Giafferis)

Rua Floriano Peixoto 18-20 (Dr Rogério Kawai)

Rua Floriano Peixoto 18-26 (Dr Daniel Mattos Silva)

Tel: (14) 3234-4442

Tel: (14) 3234-2822

Tel: (14): 3234-8288

Tel: (14) 3241-1248

Tel: (14) 3010-9191

Top 5 assuntos mais vistos

Cirurgia de catarata a laser

Cirurgia Refrativa LASIK

Plástica ocular

Laser para glaucoma (SLT)

Residência médica

Nossos serviços

Horário de atendimento

Segunda-feira                      06:40 - 18:00

Terça-feira                           06:40 - 18:00

Quarta-feira                         06:40 - 18:00

Quinta-feira                         06:40 - 18:00

Sexta-feira                          06:40 - 17:00

​Sábado                               08:00 - 12:00                        

©  CENTRO DE EXCELÊNCIA EM OFTALMOLOGIA - BAURU                                         

  • Facebook CEO Bauru
  • Instagram CEO Bauru